Paraná sem pedágio: força-tarefa garante serviços após o fim das concessões

Remoção do veículo não está proibida: entenda a nova lei de trânsito
23 de novembro de 2021
Guia do test drive: tudo que você deve observar no teste
17 de dezembro de 2021
Paraná sem pedágio: força-tarefa garante serviços após o fim das concessões

Durante o período que o Paraná ficará sem pedágio, o governo garantiu a continuidade de serviços como operações de guinchos mecânicos, ambulâncias e atendimentos em casos de acidentes. 

Com o fim das concessões rodoviárias no Paraná, uma verdadeira força-tarefa foi formada pelas secretarias de Estado da Infraestrutura e Logística, da Saúde e da Segurança Pública, juntamente com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), para a continuidade dos principais serviços que até então eram prestados pelas concessionárias.

A atuação, que valerá até o início dos novos contratos de concessão, foi detalhada na última sexta-feira (26) em uma coletiva de imprensa com o governador Carlos Massa Ratinho Junior, os secretários Sandro Alex (Infraestrutura e Logística), Rômulo Marinho Soares (Segurança Pública) e Beto Breto (Saúde) e o superintendente regional da Polícia Rodoviária Federal do Paraná, inspetor Antônio Paim.

“Estamos virando uma página e buscando uma nova solução para a história do Paraná. Esse período de hiato será marcado pela vigilância e pelo cuidado dessas rodovias extremamente importantes, artérias que atravessam o Paraná. E por isso precisamos ter um trabalho de atenção e dedicação de todos os órgãos para que o período de transição entre contratos já marque uma vida nova”, afirmou o governador Ratinho Junior.

Serviços no Paraná sem pedágio

As operações incluem serviços de guinchos mecânicos, ambulâncias, inspeção de tráfego, atendimentos em casos de acidentes ou paralisação das pistas, canalização de fluxo nas praças de pedágio, entre outros serviços. Eles serão prestados nos 2,5 mil quilômetros de rodovias estaduais e federais que compõem o Anel de Integração até o início das novas concessões.

O secretário da Segurança Pública ressaltou que planejamento e integração são os dois pilares da atuação das forças paranaenses na força-tarefa. Segundo ele, toda a segurança será avaliada semanalmente pela pasta para aprimorar os trabalhos segundo a demanda das estradas.

“Nossa Secretaria vem se preparando há tempos para esse momento, e nosso trabalho será fruto de um planejamento integrado com as demais secretarias para substituir as concessionárias de forma organizada. É um trabalho diário, intenso, para dar todo suporte à população”, afirmou Marinho.

Das 27 praças de pedágio do Anel de Integração, 14 liberaram suas cancelas às 23h59 de sexta-feira (26): Jacarezinho, Jataizinho e Sertaneja (relativos à Econorte); Arapongas, Mandaguari, Presidente Castelo Branco, Floresta, Campo Mourão e Corbélia (relativos à Viapar) e São Miguel do Iguaçu, Céu Azul, Cascavel, Laranjeiras do Sul e Candói (relativos à EcoCataratas).

Nas outras 13, as cancelas foram abertas no último minuto de sábado (27). São os pedágios de Prudentópolis/Relógio, Irati, Porto Amazonas, Imbituva e Lapa (relativos à Caminhos do Paraná), Balsa Nova, Palmeira, Carambeí, Jaguariaíva, Tibagi, Imbaú e Ortigueira (Rodonorte) e de São José dos Pinhais (Ecovia).

Tráfego

Para evitar acidentes nas praças de pedágio, um novo fluxo foi organizado, com o tráfego canalizado pelas vias laterais, enquanto as centrais ficarão bloqueadas. O novo desenho de tráfego será direcionado pelas PRF e PRE. Após decisão judicial, a sinalização desse desvio será de responsabilidade das concessionárias.

Possíveis interrupções na pista por causa de acidentes contará com suporte da Polícia Militar do Paraná para desobstrução das vias. Neste primeiro momento, serão utilizados os guinchos da PM, mas o DER/PR já lançou um edital de licitação para contratação do serviço de guincho mecânico, leves e pesados, até o início das novas concessões.

Importante ressaltar que a PM fará apenas a desobstrução da pista, para manter o fluxo das rodovias. A retirada do veículo do local será de responsabilidade dos usuários. Em casos de falhas elétricas ou mecânicas, o motorista também deverá fazer a sinalização e afastamento do veículo para não atrapalhar o tráfego.

PRF

A maior parte do Anel de Integração – 1,8 mil dos 2,5 mil quilômetros de rodovias – é federal. Nesses trechos, o patrulhamento é feito pela Polícia Rodoviária Federal, que também reforçou a sua estrutura para atendimento após o fim das concessões.

O efetivo será de 40% a 100% maior, com presença estratégica nos trechos que demandam maior atenção — tais como praças de pedágio e locais onde houveram mais ocorrências. “Estamos acompanhando a transição para fazer um policiamento ostensivo em todo o Anel, tanto para a segurança pública como para a viária. A PRF trabalha com inteligência, uso de tecnologia e tem os equipamentos necessários para prestar um bom serviço”, explicou o inspetor Paim.

De acordo com ele, a PRF faz o patrulhamento de 4 mil quilômetros de vias no Paraná. Destas, cerca de 40% eram pedagiadas, sendo que uma pequena parte, de aproximadamente 8%, ainda continuará sob concessão (são aquelas que não fazem parte do Anel de Integração).

Bens e Obras 

O secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex, ressalta que as concessionárias ainda possuem compromissos a serem cumpridos pelo Estado – tais como a finalização das obras devidas e a entrega de um levantamento dos bens existentes que serão repassados ao Estado.

“Quero salientar que o DER continua a brigar na Justiça contra todos os danos das concessionárias e contra as obras não executadas. Também destaco que todas as obras em andamento não serão paralisadas. As obras serão entregues mesmo após o encerramento do pedágio”, destacou Sandro Alex.

As três obras devidas pela Viapar, por exemplo, deverão ser concluídas em dois anos, segundo um acordo fechado com o Governo do Estado. A pena para não cumprimento é de R$ 347 milhões.

Outra responsabilidade das concessionárias é a guarda patrimonial das praças até que todos os bens reversíveis ao Estado e à União sejam entregues, seguindo um cronograma proposto pelas próprias empresas.

ESPERE UM POUCO !
Antes de ir, deixe seu contato, nos retornamos a você para esclarecer qualquer duvida.
Stay up to date
Don't miss out on the latest Industry news
MENSAGEM ENVIADA
Logo um de nossos representantes irá retornar a você.
Don't miss out on the latest Industry news
You are Subscribed!